Author

João Moura

Browsing

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta quinta-feira (21) que o presidente Jair Bolsonaro avaliará a situação do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, caso apareça seu envolvimento direto no esquema de candidaturas laranjas do PSL, revelado pela Folha de S.Paulo.

Em entrevista à Rádio Gaúcha, ele ponderou, no entanto, que, neste momento, a intenção não é demiti-lo. Onyx disse que Bolsonaro acompanha com atenção a apuração sobre o caso e defendeu que, antes de se tomar uma decisão, é preciso “dar o tempo para que os esclarecimentos venham a público”.

“O governo federal observa e acompanha, mas não tem nada nesse sentido [demissão] neste momento”, disse Onyx. “Se houver algo de gravidade, de responsabilidade direta do ministro, o presidente vai analisar e tomar a sua decisão”, acrescentou.

A Folha de S.Paulo revelou no início do mês que o ministro patrocinou um esquema de candidaturas laranjas em Minas Gerais que direcionou verbas públicas de campanha para empresas ligadas ao seu gabinete na Câmara dos Deputados.

Candidata nas últimas eleições a deputada estadual pelo PSL de Minas Gerais, a professora aposentada Cleuzenir Barbosa afirmou ter havido um esquema de lavagem de dinheiro público pela sigla no estado.

Ela entregou ao Ministério Público mensagem em que um assessor de Álvaro Antônio cobrava a devolução de verba pública de campanha para destiná-la a uma empresa ligada a outro assessor do político.

O envio do texto da reforma previdenciária na quarta-feira (20) deu sobrevida ao ministro. Com a queda na segunda-feira (18) de Gustavo Bebianno (Secretaria Geral), o presidente está convencido, segundo integrantes de sua equipe, de que não deve criar mais uma pauta negativa neste momento.

A avaliação é de que uma nova demissão neste momento poderia sinalizar ao Poder Legislativo o enfraquecimento da gestão federal, criando condições para que deputados da futura base aliada já iniciem movimento para alterar pontos importantes da iniciativa.

Além disso, o Palácio do Planalto teme que uma exoneração de outro filiado ao PSL, na sequência da demissão de Bebbiano, possa criar um novo mal-estar com a bancada federal do partido, insatisfeita com a maneira como o ex-ministro foi afastado.

Assim, mesmo com a situação delicada de Marcelo Álvaro, a orientação neste momento é mantê-lo no cargo, pelo menos até que a repercussão da saída de Bebianno se dissipe.

Apesar da sobrevida, militares e auxiliares do governo defendem, em caráter reservado, que, passada a espécie de quarentena, o ministro deve ser demitido em uma tentativa de afastar do Palácio do Planalto a crise das candidaturas laranjas, evitando que novos desdobramentos prejudiquem o presidente.

Fonte: Notícias ao Minuto

O senador Jorge Kajuru (PSB-GO) criticou nesta quarta-feira (20), durante pronunciamento em Plenário, o ex-secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que teria vazado conversas pessoais com o presidente da República, Jair Bolsonaro.

Na opinião do parlamentar, Bebianno traiu a confiança do presidente e foi desleal à nação. O Brasil enfrenta um momento crítico, não precisa de uma crise institucional, mas de serenidade para que propostas de melhorias para o povo sejam discutidas pelo Congresso, afirmou Kajuru.

“Gustavo Bebianno não foi brasileiro. O governo Bolsonaro tem que começar a trabalhar urgentemente. O país está parado. O desemprego continua. Ao mesmo tempo, é indispensável que a Justiça apure as denúncias de candidaturas laranjas e lavagem de dinheiro durante a campanha eleitoral do PSL. Eu não estou aqui julgando ninguém. Eu quero que a Justiça investigue e julgue”, concluiu.

Fonte: Notícias ao Minuto

O Vaticano sediará a partir desta quinta-feira (21) um encontro liderado pelo papa Francisco que tem como meta afrontar um dos temas mais espinhosos para a Igreja Católica: os abusos sexuais cometidos por membros do clero. A conferência, que durará quatro dias, leva o nome de “A Proteção dos Menores na Igreja” e contará com a participação de 114 bispos de Conferências Episcopais – instituições de caráter permanente que congregam os bispos de uma nação ou de um determinado território -. A expectativa em torno do evento é alta, tanto dentro da própria cúria quanto na imprensa internacional. Isso porque a cúpula pode ser um divisor de águas na maneira como a Igreja investiga, conduz e pune os crimes de pedofilia e abusos sexuais, além de ocorrer em um momento em que surgem novos escândalos a cada semana.

O mais recente veio à tona há apenas 48 horas, na França, contra o núncio apostólico italiano Luigi Ventura, de 74 anos, que é alvo de duas denúncias de agressão sexual e assédio. Nos Estados Unidos, Austrália e Chile, passam de dezenas os casos investigados pelas autoridades.

No último fim de semana, em uma decisão inédita, o Vaticano aplicou sua mais alta sanção e removeu do sacerdócio o poderoso cardeal Theodore McCarrick, ex-arcebispo de Washington, acusado de ter abusado um adolescente nos anos 1970. No Brasil, um padre de Americana, no interior de São Paulo, foi afastado em janeiro após receber denúncias de abusos de menores.

O argentino Jorge Mario Bergoglio, que foi eleito Papa em 2013, já afirmou publicamente que os crimes sexuais configuram um dos maiores problemas a se enfrentar. Na semana passada, ele admitiu, em conversa com a imprensa, que, além dos abusos contra menores de idade, as freiras também são vítimas de crimes sexuais, e que essa situação mina a “credibilidade” da Igreja. Em dezembro, na tradicional mensagem de Natal para a Cúria Romana, Francisco se referiu aos crimes como “abominações” e prometeu que a Igreja não iria mais “ignorar” as denúncias.

Com o encontro que começa amanhã, o Papa pretende criar novas regras internas sobre como lidar com as denúncias e com as vítimas. Segundo Francisco, o objetivo é fazer com que haja “protocolos claros” para combater os abusos. Os bispos deverão ser o pilar dessas mudanças propostas pelo Papa, já que têm o poder de replicar as medidas em seus países de atuação. “A partir de amanhã, começaremos alguns dias de diálogo e comunhão, de escuta e discernimento.

Pode ser um tempo de conversão”, disse Francisco, em um post no Twitter à véspera da conferência, no qual usa a hashtag #PBC2019. A Organização das Nações Unidas (ONU) disse ter “muitas expectativas” em relação à conferência. Mais realista, Francisco recorreu aos fieis, pedindo para “rezarem” pelo encontro, e não deixou de contar que, desde o papa João Paulo II, a Igreja tem tentado criar mecanismos internos para combater os crimes sexuais – em vão. (ANSA)

Fonte: Notícias ao Minuto

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Um incêndio atingiu um prédio residencial em um bairro antigo de Dhaka, capital de Bangladesh, e matou ao menos 70 pessoas e deixou 55 feridas, nesta quarta-feira (20). Segundo as autoridades, o prédio também era usado como depósito químico. O fogo se alastrou para os edifícios próximos.

“O número de corpos pode aumentar”, disse o chefe do Corpo de Bombeiros de Bangladesh, Ali Ahmed, à agência de notícias AFP. A causa do incêndio ainda não foi identificada.

Os bombeiros acreditam que pode ter começado a partir de um cilindro de gás, com o fogo se espalhando rapidamente pelo prédio onde produtos químicos altamente inflamáveis eram armazenados.

Fonte: Notícias ao Minuto

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, parte hoje (21) para a fronteira com a Colômbia, na tentativa de trazer para o país a ajuda humanitária bloqueada pelo governo de Nicolás Maduro, anunciou um porta-voz.

“Membros da Assembleia Nacional acompanharão o presidente Juan Guaidó na viagem”, diz mensagem enviada aos jornalistas, citada pela agência de notícias France Press.

Nessa quarta-feira, Guaidó, que é também líder da Assembleia Nacional, majoritariamente da oposição, já havia manifestado a determinação de romper o bloqueio militar imposto por Maduro.

“A ajuda humanitária chegará por ar, por mar, por terra e assim conseguirá entrar. Precisamos abrir um corredor humanitário, aconteça o que acontecer”, disse o presidente interino, referindo-se à operação agendada para sábado (23), data que impôs para a entrada de ajuda humanitária internacional.

Juan Guaidó falou em Caracas, durante encontro com dezenas de motoristas de ônibus, que se concentraram no leste da capital para apoiar o líder opositor e oferecer apoio à operação de entrega de ajuda humanitária, prevista para o sábado.

“Neste 23 de fevereiro, haverá brigadas voluntárias e humanitárias, que aqui há muitas, deslocando-se às fronteiras, não apenas em Cúcuta [Colômbia], em Táchira, em Bolívar [estados venezuelanos], por mar também virá ajuda”, disse.*Com informações da RTP (emissora pública de televisão de Portugal)

Fonte: Notícias ao Minuto

A reestruturação do São Paulo neste início de temporada vai obrigar o time a melhorar principalmente em um dos setores mais badalados do elenco. O ataque passa por um momento ruim, ao ter marcado somente um gol nos últimos sete compromissos, apesar do investimento da diretoria em reforços e da manutenção das principais peças do ano passado.

Dos jogadores disponíveis para o ataque, somente Pablo marcou gol nos últimos jogos do São Paulo. O jogador trazido do Athletico Paranaense por cerca de R$ 26 milhões anotou na derrota de domingo diante do Corinthians, pelo Campeonato Paulista, e amenizou o momento ruim do setor ofensivo. A equipe chegou a ficar três partidas consecutivas de 2019 sem balançar as redes.

Enquanto o clube conta com o técnico interino Vágner Mancini e aguarda a chegada do técnico Cuca, parte dos trabalhos no CT da Barra Funda têm ênfase na melhora da produção ofensiva. O São Paulo começou o ano com vitórias por 4 a 1 sobre o Mirassol e 3 a 0 diante do Novorizontino, para depois ver o ataque não produzir o suficiente nos outros compromissos.

A má fase coincidiu, inclusive, com a eliminação na Copa Libertadores. O São Paulo passou os dois jogos do encontro com o Talleres sem marcar e pouco levou perigo ao gol adversário. No intervalo entre as partidas de ida e a de volta, o time perdeu para a Ponte Preta, pelo Campeonato Paulista, após passar os 90 minutos sem criar uma chance de gol.

O São Paulo trouxe neste ano para ataque nomes como Pablo e Biro Biro. Jogadores remanescentes do ano passado como Everton, Diego Souza e Gonzalo Carneiro não conseguiram boas atuações. A equipe do Morumbi, curiosamente, fechou o primeiro turno do Campeonato Brasileiro do ano passado na liderança e com o melhor ataque da competição naquela altura do torneio, com 32 gols em 19 jogos.

Fonte: Esporte ao Minuto

LYON, FRANÇA (UOL/FOLHAPRESS) – Pouco mais de um ano depois de forçar a saída do Liverpool rumo ao Barcelona, Philippe Coutinho ainda não encontrou a felicidade que imaginava desfrutar na Catalunha. Nesta semana, o brasileiro deixou o estádio do Lyon mais uma vez cabisbaixo, após jogo da Liga dos Campeões, sem atender a imprensa, em um comportamento que virou padrão da temporada. Sem demonstrar reação diante do mau momento, o meia já agita especulações para a janela de transferências do verão europeu.

O estado de ânimo de Coutinho tem gerado preocupação, tanto da comissão técnica quanto do grupo de jogadores do Barcelona. Amigos mais próximos do brasileiro no elenco, como o uruguaio Luis Suárez, tentam motivar o meia na missão de recuperação de seu auge técnico. Até mesmo Lionel Messi ofereceu um gesto de generosidade ao companheiro.

O astro argentino deu a bola para que Coutinho cobrasse o pênalti na vitória sobre o Sevilla por 5 a 1, quando o jogo ainda estava empatado sem gols. Nesta partida da Copa do Rei da Espanha, em 30 de janeiro, o brasileiro teve um de seus melhores momentos na temporada, bastante elogiado pela mídia catalã. No entanto, em um compromisso posterior, foi mal no 0 a 0 com o Athletic Bilbao, pelo Campeonato Espanhol, e foi duramente criticado de novo.

A oscilação de performance tem sido a marca da temporada de Coutinho. O brasileiro começou a temporada como peça de meio-campo, mas logo foi sacado do time, pelo fato de o técnico Ernesto Valverde entender que esta formação deixava a equipe mais vulnerável defensivamente. A partir daí, o ex-jogador do Liverpool passou a duelar por uma vaga no ataque com Ousmane Dembélé. Por enquanto, a vantagem é do campeão mundial com a França.

Mesmo criando problemas de disciplina, com atrasos em treinos e vício em videogame, Dembélé se firmou como primeira opção. O francês tem conseguido participar mais de jogadas de gol, com seu estilo de profundidade, velocidade e facilidade de encarar adversários no mano a mano. Coutinho, por sua vez, não vem sendo tão efetivo, nem emplacando sua jogada de assinatura, quando sai da ponta para o centro em busca da finalização cruzada.

Recentemente Dembélé ficou afastado por uma lesão, em ocorrência que ofereceu a Coutinho a oportunidade de atuar em oito jogos seguidos. Apesar de boas performances, como na vitória sobre o Sevilla, o brasileiro não embalou. São 8 gols e 5 assistências na temporada até aqui.

CONVERSA

Já no final de 2018, Coutinho levou a insatisfação pelo momento no Barcelona ao elenco da seleção. O meia chegou a conversar com alguns colegas que defendem o PSG sobre uma eventual possibilidade de transferência.

No entanto, a mudança para Paris parece pouco provável, já que o alto custo do jogador ameaçaria o PSG dentro dos padrões do “fair play” financeiro da Uefa – o Barcelona pagou 160 milhões de euros pelo brasileiro em 2018. De resto, a relação entre os dois clubes envolvidos também não é das melhores, ainda sob o desgaste da saída de Neymar da Catalunha em 2017.

Mesmo assim, Coutinho segue com alto valor de mercado e inspira especulações sobre uma volta à Premier League. Nas últimas semanas, o jornal “The Independent”, de Londres, noticiou que o brasileiro seria prioridade do Chelsea caso o clube negocie o belga Eden Hazard.

Mas o principal obstáculo para esta movimentação é familiar. Em janeiro de 2018, quando deixou o Liverpool, uma das motivações do jogador era contentar a esposa, que queria retornar a Barcelona – o casal morou na cidade espanhola em 2012, quando o ex-vascaíno defendeu a camisa do Espanyol.

Porém, existem outras opções. Segundo apuração da reportagem, o estafe de Coutinho já vem lidando com algumas sondagens sobre o futuro. O atual contrato do brasileiro com o Barcelona dura até 2023.

TÉCNICO

Na última terça-feira, Coutinho voltou a ignorar a imprensa da Espanha ao final da partida contra o Lyon, pela Liga dos Campeões. O brasileiro passou de cabeça baixa pela área de entrevistas conhecida como zona mista.

Coutinho entrou aos 22 minutos do segundo tempo no lugar de Dembelé e recebeu nota 5 do “Diário Sport”, jornal de Barcelona, que destacou sua mobilidade e “um potente disparo de fora da área”. Já o “Mundo Deportivo” foi mais crítico: “segue sem adicionar detalhes suficientes para dar a sensação que a sua condição de reserva é uma injustiça”.

Depois do empate por 0 a 0 na França, o técnico Ernesto Valverde desconversou sobre o estado de desânimo do brasileiro.

“Acho que é mais uma sensação de fora. Vejo ele bem. Queremos que marque e se anime, mas ele está bem”, comentou o treinador do Barcelona.

“Coutinho é um jogador fundamental para nós. Hoje pensei em começar com Dembélé. Outro dia coloquei o Dembélé porque ele estava voltando de lesão e precisávamos dos dois em plena forma. E principalmente agora, com esses jogos tão importantes na Liga dos Campeões e Copa do Rei, espero poder contar com os dois. E Coutinho entrou como sempre. É um grande jogador e esperamos muito dele”, acrescentou Valverde.

Recentemente Valverde acertou a renovação de contrato com o Barcelona até o final da temporada 2019-20. Para a imprensa que acompanha de perto o clube catalão, a sequência de trabalho do treinador, que já demonstrou preferir Dembélé no time, pode significar uma necessidade de mudança para Coutinho.

Fonte: Esporte ao Minuto

Recentemente, a apresentadora Xuxa surpreendeu seus fãs com uma mudança radical de visual para sua nova atração na RecordTV, o reality show ‘The Four’. A estrela raspou o cabelo e compartilhou o resultado nas redes sociais.

Como de costume, a artista recebeu entre dezenas de elogios, muitas críticas também. “Por que você raspou a cabeça?”, questionou um seguidor, “Uai, porque eu gosto. Eu quis, o cabelo é meu”, rebateu a loira.

“Está feia, parece um homem. E sou sua fã”, acrescentou outra. “Na boa, me respeita para eu te respeitar, tá?”, sublinhou a apresentadora. “Desculpa, mas não ficou legal”, disse outra. “Desculpa, mas eu gostei”, alfinetou Xuxa.

Fonte: Fama ao Minuto

Em troca de apoio à reforma da Previdência, os governadores querem garantir uma parte dos recursos do megaleilão de petróleo do pré-sal, na Bacia de Santos. A estimativa é que a licitação possa render R$ 100 bilhões ao governo, e os Estados querem garantir R$ 15 bilhões. A promessa é que os recursos seriam aplicados em fundos emergenciais destinados a cobrir o rombo da Previdência dos Estados. A proposta foi apresentada pelo governador do Piauí, Wellington Dias (PT), durante o Fórum dos Governadores.

“Nós estamos dispostos a tratar dessa receita que, pela Constituição, parte é dos municípios, parte é dos Estados e parte é da União, para que ela seja carimbada para a solução do problema da Previdência”, disse ele. “Isso é fundamental para ter o apoio dos governadores e dos Estados. Fizemos questão de dizer isso ao ministro da Economia, Paulo Guedes.”

O leilão dos direitos de exploração do excedente da camada pré-sal está travado por causa da revisão da chamada cessão onerosa, acordo fechado em 2010 entre a União e a Petrobrás, que permitiu à estatal explorar 5 bilhões de barris sem licitação. A divisão dos recursos do megaleilão com os Estados é mais um dos pedidos feitos pelos governadores para dar apoio à reforma. Como mostrou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, a lista de pleitos dos Estados inclui também linhas de financiamento, mais repasses da União para compensar isenções dadas a exportadores, alongamento da dívida e novo plano de socorro às administrações com problemas de caixa, para o pagamento de funcionários e fornecedores.

O governador do Piauí vai coordenar um grupo de trabalho para discutir a criação dos fundos e pretende apresentar uma proposta final no dia 19 de março. Dias foi um dos articuladores da emenda que destina 30% das receitas do Fundo Social do Pré-Sal aos fundos de participação de Estados e municípios. Essa emenda foi apresentada para um projeto de lei sobre a cessão onerosa, aprovado pela Câmara em junho, mas ainda em tramitação no Senado.

O projeto de lei da cessão onerosa ficou parado no Senado após um impasse na divisão dos recursos do bônus de assinatura do leilão. Na época, o ministro Paulo Guedes sinalizou que aceitaria dividir essa receita com Estados e municípios, mas o ex-ministro da Fazenda Eduardo Guardia disse que a proposta violava a emenda do teto de gastos e não poderia ser viabilizada.

“Aceitamos que esse dinheiro (bônus de assinatura do leilão dos excedentes da cessão onerosa) possa ser destinado a Previdência e investimentos, depois que resolver o problema da Previdência. Isso chegou a ser debatido e foi apresentado hoje (quarta-feira, 20)”, afirmou.

Os fundos emergenciais seriam abastecidos com dinheiro de diversas fontes. Além do bônus de assinatura do leilão da cessão onerosa, paga por petroleiras no ato da compra, os fundos receberiam, também, recursos da comercialização dos barris de petróleo do pré-sal, oriundas da exploração das áreas ao longo dos anos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Notícias ao Minuto