Category

BRASIL

Category

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe entra em nova etapa nesta segunda-feira (22) em todo o país. A primeira fase, que teve início em 10 de abril, vacinou crianças, gestantes e puérperas. A partir da próxima segunda-feira (29), o Ministério da Saúde abrirá ao restante do público-alvo.

A partir desta segunda, também podem receber a vacina trabalhadores da saúde, povos indígenas, idosos, professores de escolas públicas e privadas, pessoas com comorbidades e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade.

De acordo com o ministério, 41,8 mil postos de vacinação estão à disposição da população. Além disso, 196,5 mil profissionais estão envolvidos, com a utilização de 21,5 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais.

A doença

A influenza é uma doença sazonal, mais comum no inverno, que causa epidemias anuais, sendo que há anos com maior ou menor intensidade de circulação desse tipo de vírus e, consequentemente, maior ou menor número de casos e mortes.

No Brasil, devido a diferenças climáticas e geográficas, podem ocorrer diferentes intensidades de sazonalidade da influenza e em diferentes períodos nas unidades federadas. No caso específico do Amazonas, a circulação, de acordo com o ministério, segue o período sazonal da doença potencializado pelas chuvas e enchentes e consequente aglomeração de pessoas.

Até o fim de março, antes do lançamento da campanha, foram registrados 255 casos de influenza em todo o país, com 55 mortes. Até o momento, o subtipo predominante no país é influenza A H1N1, com 162 casos e 41 óbitos. O Amazonas foi o estado com mais casos registrados: 118 casos e 33 mortes. Por isso, a campanha foi antecipada no estado.

Fonte: Agência Brasil

Foto: Erasmo Salomão/Ministério da Saúde

Os eleitores que não votaram nem justificaram a ausência às urnas nas últimas três eleições têm até o próximo dia 6 de maio para regularizar a situação. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em todo o país, mais de 2,6 milhões de pessoas estão em situação irregular.

De acordo com o Tribunal, quem não acertar contas com a Justiça Eleitoral pode ter o título cancelado. O TSE informa que são incluídas eleições regulares e suplementares e que cada turno é considerado uma eleição.

O título de eleitor, conforme o TSE, é necessário para obter passaporte ou carteira de identidade e para receber vencimentos, remuneração, salário ou proventos de função ou emprego público, autárquico ou paraestatal, bem como de fundações governamentais, empresas, institutos e sociedades de qualquer natureza, mantidas ou subvencionadas pelo governo ou que exerçam serviço público delegado, correspondentes ao segundo mês subsequente ao da eleição.

O documento é exigindo para participar de concorrência pública ou administrativa da União, dos estados, dos territórios, do Distrito Federal, dos municípios ou das respectivas autarquias, para obter empréstimos nas autarquias, nas sociedades de economia mista, nas caixas econômicas federais e estaduais, nos institutos e caixas de previdência social, bem como em qualquer estabelecimento de crédito mantido pelo governo e com essas entidades celebrar contratos.

Concurso

Para inscrição em concurso ou prova para cargo ou função pública, e neles ser investido ou empossado, renovação de matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo e prática de ato para o qual se exija quitação do serviço militar ou imposto de renda igualmente é cobrado o título de eleitor. Sem título, o eleitor não consegue certidão de quitação eleitoral nem documentos em repartições diplomáticas.

O eleitor pode consultar sua situação no portal do TSE, na opção “situação eleitoral”, no canto superior esquerdo da página principal. Após preencher o nome completo e a data de nascimento, o serviço indicará se o título está regular ou irregular.

Quem estiver em situação irregular terá de pagar uma multa no valor de R$ 3,50. Depois precisa ir ao cartório eleitoral e apresentar documento oficial com foto, comprovante de residência e título de eleitor, se ainda o possuir.

Também é possível fazer o processo pela internet, no portal do TSE, na opção quitação de multas. Ainda assim, é preciso levar a documentação ao cartório eleitoral.

Resolução do TSE estabelece o prazo para a atualização do cadastro eleitoral, bem como os procedimentos relativos ao cancelamento dos títulos eleitorais e à regularização da situação dos eleitores.

Fonte: Portal Wscom com informações da Assessoria de Comunicação do TSE

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe entra em uma nova etapa na próxima segunda-feira (22) em todo o país. A primeira fase, que teve início em 10 de abril, vacinou crianças, gestantes e puérperas. A partir da próxima segunda, o Ministério da Saúde abrirá ao restante do público-alvo.Dessa forma, poderão receber a vacina trabalhadores da saúde, indígenas, idosos, professores de escolas públicas e privadas, pessoas com comorbidades e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade.

De acordo com o ministério, 41,8 mil postos de vacinação estão à disposição da população. Além disso, 196,5 mil profissionais estão envolvidos, bem como a utilização de 21,5 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais.

A doença

A influenza é uma doença sazonal, mais comum no inverno, que causa epidemias anuais, sendo que há anos com maior ou menor intensidade de circulação desse tipo de vírus e, consequentemente, maior ou menor número de casos e mortes.

No Brasil, devido a diferenças climáticas e geográficas, podem ocorrer diferentes intensidades de sazonalidade da influenza e em diferentes períodos nas unidades federadas. No caso específico do Amazonas, a circulação, de acordo com o ministério, segue o período sazonal da doença potencializado pelas chuvas e enchentes e consequente aglomeração de pessoas.

Fonte: Agência Brasil

Os caminhoneiros estão organizando nova paralisação nacional para 21 de maio, quando se completa um ano da greve que abalou o governo Temer em 2018. O movimento acontecerá se houver qualquer reajuste no óleo diesel e se o piso mínimo do frete continuar a ser desobedecido.

 “Se o diesel aumentar um centavo que seja e não houver efetiva fiscalização da aplicação do piso, a gente para no dia 21, quando a greve do ano passado completará um ano”, garante o caminhoneiro Wanderlei Alves, o Dedéco, de Curitiba (PR), um dos integrantes da rede de lideranças da categoria, em entrevista à jornalista Leila Souza Lima, do Valor Econômico .

Segundo o caminhoneiro, as representações que atuam hoje em Brasília junto ao governo federal não têm controle sobre caminhoneiros de todo o país. “Há de 20 a 30 lideranças espalhadas por todos os Estados se comunicando em articulação. Eles podem dizer com todas as letras que não vamos parar, mas nós vamos se nada for feito”, diz Alves.

Fonte: Brasil 247

Os Bombeiros resgataram manhã desta terça-feira (16) o corpo da paraibana Ana Flávia, de 36 anos, e o filho dela Fábio, de três anos, dos escombros dos prédios que desabaram na última sexta-feira (12), na Muzena, no Rio de Janeiro.

Em contato com o Portal MaisPB, a irmã de Ana Flávia,Verônica de Cássia, que mora em  Riachão do Poço, não soube informar se o velório e enterro será realizado no Rio de Janeiro ou na Paraíba. Ana Flávia morava no Rio há uns cinco anos.

Há informações que hoje também teria sido resgatado o corpo de Ana Paula Rodrigues, que é natural de Campina Grande e estava grávida, mas o MaisPBnão conseguiu confirmar a informações com parentes da vítima.

Na sexta-feira o pastor e líder comunitário Claudio Rodrigues, de 40 anos, morreu em um hospital após ser resgatado com vida. Sua esposa ficou gravemente ferida e permanece internada. Já a sua filha teve ferimentos e já  recebeu alta.  Até agora, 16 mortes foram confirmadas no desabamento. Outras oito pessoas continuam desaparecidas.

Fonte: MaisPB

Exames para identificar infecção pelo vírus da Zika em breve vão poder ser feitos em 20 minutos. Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em Pernambuco, desenvolveram um método simples e 40 vezes mais barato que o tradicional. A expectativa é que chegue aos postos de saúde antes do final do ano, beneficiando, principalmente, os municípios afastados dos grandes centros, onde o resultado do teste de Zika pode demorar até 15 dias. As informações são de um dos criadores da técnica, o pesquisador da unidade Jefferson Ribeiro.

“Tendo em vista que a técnica atual (PCR) é extremamente cara e o Brasil tem poucos laboratórios de referência que podem realizar o diagnóstico de Zika – até um tempo atrás eram apenas cinco, inclusive a Fiocruz de Pernambuco -, uma cidade pequena, no interior do estado, acaba prejudicada. A amostra precisa sair do interior, ir para a capital, para ser processada, enfim, se pensarmos nesses municípios, o resultado pode demorar 15 dias”, destaca Ribeiro.

Outra vantagem do novo teste é que pode ser feito por qualquer pessoa nos posto de saúde, não exige treinamento complexo. Com um kit rápido, basta coletar amostras de saliva ou urina, misturar com reagentes fornecidos em um pequeno tubo plástico e depois aquecer em banho maria. Vinte minutos depois, se a cor da mistura se tornar amarela, está confirmado o diagnóstico de Zika, se ficar laranja, o resultado é negativo. Hoje, o teste PCR (reação em da polimerase), com reagentes importados, é feito com material genético retirado das amostras, o que demora mais.

O teste elaborado pela Fiocruz Pernambuco é também mais preciso, ou seja, tem uma taxa de erro menor, acusando a doença mesmo em casos que não foram detectados pela PCR.

A expectativa dos pesquisadores é que o kit seja desenvolvimento pela indústria nacional, com a participação da Bio-manguinhos, e disponibilizado até o fim do ano. Testes semelhantes já são usados para o vírus da dengue e outras bactérias. “Essa é a nossa pretensão, para facilitar a disponibilidade para o Sistema Único de Saúde”, disse Ribeiro.

Zika

O número de casos de Zika, que pode causar microcefalia em bebês, vem diminuindo nos últimos anos. No entanto, o país ainda teve 8.680 diagnósticos em 2018 (em 2017 foram 17.593), com maior incidência no Norte e Centro-Oeste. A doença está relacionada à falta de urbanização e de saneamento básico e costuma aumentar nas estações chuvosas.

A Zika é transmitida principalmente por picadas de mosquito, mas também durante a relação sexual desprotegida e de mãe para filho, na gestação. Provoca complicações neurológicas como a microcefalia e a Síndrome de Guillain Barré. Começa com manchas vermelhas pelo corpo, olho vermelho, febre baixa e dores pelos corpos e nas juntas, geralmente, sem complicações.

O novo teste para a Zika foi desenvolvido no mestrado em Biociências e Biotecnologia em Saúde, com orientação do professor Lindomar Pena. Em breve, será publicado em detalhes em revista científica. Anteriormente, os pesquisadores publicaram artigo com os resultados dos testes para amostras de mosquitos infectados e não de secreções humanas.

Fonte: Agência Brasil

Foto: Sumaia Villela/ Agência Brasil

A família de uma paraibana, que segue desaparecida em meio a escombros após desabamento de dois prédios no Rio de Janeiro, ganhou um pouco a mais de esperança nas últimas horas. É que o carro que estava estacionado na garagem  de um dos edifícios do condomínio Figueira foi localizado pela equipe do Corpo de Bombeiros.

Em contato com o Portal Correio, Jurandir Silva, que é  irmão de uma das vítimas, está no Rio de Janeiro, e disse que o automóvel não teve o teto totalmente destruído, o que dá um ânimo extra na busca por seus familiares. A cunhada dele é de Solânea, e o irmão, apesar de ter raízes na Paraíba, nasceu no Rio de Janeiro.

Ele disse que os trabalhos das equipes de resgate não pararam desde o momento da tragédia, e que o clima no local é de muita apreensão. Jurandir explicou que como o teto do automóvel não foi totalmente atingido, as chances de seus familiares – dois adultos e duas crianças – serem encontrados com vida aumentou um pouco. “Eles (os bombeiros) estão quebrando a laje, tentando um acesso por baixo, para tentar resgatar a família do meu irmão. Apesar de muita gente já ter sido resgatada sem vida, a nossa esperança continua. Peço a todos muita oração nesse momento”, afirmou.

O sargento Leonardo, do Corpo de Bombeiros do Rio, disse ao Portal Correioque o último boletim com o número de vítimas foi atualizado por volta das 22h desse sábado (13). Segundo ele, até o momento nove pessoas morreram, enquanto 10 foram resgatadas com vida.

Leonardo não soube precisar o provável número de desaparecidos, mas revelou que existe uma perspectiva desse  número girar em torno de 15 pessoas.

Ao todo, aproximadamente 100 pessoas estão envolvidas no trabalho de resgate das vítimas do desabamento dos dois edifícios. “Os trabalhos seguem sem previsão para terminar. Temos que remover todo aquele entulho para encontrar as vítimas, mesmo que não estejam mais com vida”, explicou o militar.

*Matéria editada às 10h para atualizar o número de mortos resgatados.

Fonte: Portal Correio

Foto: Centro de Operação da Prefeitura do Rio

Ana Paula Rodrigues, de 37 anos, está esperando seu terceiro filho e foi a única de sua família que estava no apartamento no momento do desabamento do prédio na comunidade Muzema, no Rio de Janeiro. Nascida em Campina Grande, a vítima mora no Rio há pelo quase 20 anos.

Além de Ana Paula, seu marido e dois filhos moravam na unidade. A filha Carol, de 15 anos, conversou com o Portal MaisPB e explicou que ela estava na escola, o pai estava na rua com seu irmão, também filho de Ana.

Esperançosa, a menina acredita que a mãe ainda está viva. “Só quero encontrar ela logo”, explicou a adolescente, que contou ainda que o pai está próximo aos escombros aguardando alguma novidade.  “Ele não sai de lá por nada”, disse.

Além de Ana Paula, Ana Flávia Pereira e seu bebê, Jeferson Trajano, sua esposa Carla e seus dois filhos seguem desaparecidos.

Fonte: MaisPB

Um avião caiu na tarde de hoje (13), em uma rua de Belo Horizonte. De acordo com o pelo Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), a aeronave caiu no Bairro Caiçara, Região Noroeste da capital mineira. Até o momento, uma vítima fatal foi confirmada.

Os bombeiros não informaram se havia outras pessoas no avião de pequeno porte, modelo  Socota S 10 prefixo PT DME.  Ainda não há informações sobre a identidade da vítima e a quem pertencia o avião.

A queda ocorreu pouco por volta de 15h20. Após colidir com o solo, a aeronave foi destruída pelo fogo.

Fonte: Agência Brasil

Foto: Corpo de Bombeiros

(Brasília – DF, 28/02/2019 ) Presidente da República, Jair Bolsonaro durante café da manhã com Jornalistas. Foto: Marcos Corrêa/PR

Após passar seis dias em silêncio absoluto sobre o fuzilamento com mais de 80 tiros do músico Evaldo Rosa dos Santos por militares durante uma operação no Rio de Janeiro, no último domingo (7), o presidente Jair Bolsonaro disse que o Exército “não matou ninguém” e que a instituição não pode ser chamada de assassina. “O Exército é do povo. A gente não pode acusar o povo de assassino. Houve um incidente. Houve uma morte. Lamentamos ser um cidadão trabalhador, honesto”, disse Bolsonaro durante viagem a Macapá (AP).

O “incidente”, como se referiu o presidente, aconteceu quando dez militares abriram fogo contra o carro em que o músico estava com a família foi supostamente confundido com um utilizado por criminosos. Evaldo morreu no local e outras duas pessoas ficaram feridas no tiroteio desencadeado pelos soldados do Exército.

Até o momento, nove dos dez militares que participaram da operação estão presos. Nesta quinta-feira (11), eles ingressaram com um pedido de habeas corpus junto ao Superior Tribunal Militar (STM). “Está sendo apurada a responsabilidade. No Exército sempre tem um responsável. Não existe essa de jogar para debaixo do tapete”, disse Bolsonaro sobre o assunto.

Até então, a única declaração oficial do Planalto havia sido feita na terça-feira pelo porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros. Na ocasião, ele afirmou que “o presidente confia na Justiça militar, no Ministério Público militar e, a partir desse pressuposto, ele identifica e solicita até dentro da possibilidade, já que há independência de poderes, que esse caso seja o mais rapidamente elucidado”.

Fonte: Brasil 247