Category

ESPORTES

Category

Esse goleiro é bom, hein”. “Muito bão!”. Os elogios são do craque Neymar e do volante Casemiro.

E o alvo dos comentários é o paraibano Santos, de 29 anos, que se destacou nesta terça-feira durantes os treinos da Seleção Brasileira visando amistosos ante Senegal e Nigéria, dias 10 e 13, respectivamente.

Campeão da Copa do Brasil pelo Athletico-PR há um mês, o arqueiro, mostrou o tamanho da grande fase que passa.

Em reportagem assinada por Raphael Zarko, que acompanha a “Amarelinha” em Singapura, o Globoesporte destacou o desempenho de Santos nas atividades.

O portal relata que ele duelou contra alguns dos melhores jogadores do mundo, se saiu bem, recebeu elogios de Neymar, Casemiro e Arthur. Mas também se empolgou. Na brincadeira de fim de treino, quando ia vencendo os atacantes e ia fazer todos pagarem 10 flexões, ele aceitou desafio de Neymar.

A brincadeira era: os jogadores de linha tentavam bater o goleiro. Se não sofresse gol, todos pagariam 10 flexões. E Santos defendeu chutes de Paquetá, de Everton, de Arthur… Um a um. Até chegar Neymar, que propôs “salvar” os companheiros.

O preparador de goleiros Taffarel olhou desconfiado e disse que não deveria ter aceitado. Não teve jeito. Neymar colocou no canto e Santos pagou 10.

– Bem-vindo, Santos! – gritou Neymar, tirando onda com o goleiro.

Mais cedo, em entrevista coletiva, Santos revelou inspiração em Dida, de quem parece até ter herdado o temperamento tranquilo, e Taffarel, treinador de goleiros.

– Esse sai que é sua Taffarel é emblemático. Todo moleque já ouviu isso. Ele é referência para todos. É um cara que com certeza é exemplo para toda a molecada. Ele teve no Athletico há um tempo, só cumprimentei. Ele disse que já estava doido para trabalhar, para treinar. Tenho como espelho, referência, gente desse nível, dele, do Dida – disse o goleiro Santos.

Nascido em Cabaceiras, cidade próxima à Campina Grande (PB), o primeiro nome de Santos é Aderbar. Ele primeiro foi chamado de Neto, mas depois virou Santos mesmo, um outro sobrenome. Titular do Furacão desde a saída de Weverton, hoje companheiro de Seleção, ele comentou as conquistas recentes do Athletico.

– Tudo isso que vem acontecendo é fruto de bom trabalho, dentro de campo, principalmente, mas também fora de campo. Nosso presidente (Mario Petraglia, do Conselho Deliberativo) tem visão totalmente diferente no futebol, mas nossa equipe com certeza tem feito por merecer dentro de campo. Estamos fazendo grande trabalho, conquistamos títulos importantes e é isso que faz um clube crescer – comentou o novo jogador da seleção brasileira.

Fonte: Paraibaonline

Foto: Ascom/CBF

Na manhã deste sábado, um grupo de torcedores do Fluminense invadiu o Centro de Treinamento do clube para protestar e cobrar jogadores. Um dos muros de metal que cercam o terreno foi derrubado.

O elenco tricolor estava iniciando os trabalhos na academia quando foram cercados pelos torcedores. Seguranças do clube não demoraram para chegar no local, mas os atletas aceitaram ouvir as cobranças da torcida.

Com um clima hostil, os tricolores cobraram comprometimento sobretudo depois da demissão do técnico Oswaldo de Oliveira, e ainda ameaçaram fiscalizar os jogadores durante a noite. Apesar do tom das cobranças, não houve agressão física.

Depois de cerca de 10 minutos, os torcedores deixaram o CT de forma espontânea, e do lado de fora, foi possível observar uma faixa com cobranças ao presidente Mário Bittencourt e ao vice Celso Barros.

Neste domingo, o Fluminense recebe o Grêmio no Maracanã, em partida válida pela 22° rodada do Campeonato Brasileiro. Com 19 pontos, a equipe ocupa a 16° posição na tabela.

Fonte: Gazeta Esportiva

O craque Lionel Messi venceu, na tarde desta segunda-feira, o prêmio de melhor jogador do mundo do The Best Fifa. É a sexta vez que o camisa 10 do Barcelona e da seleção argentina é escolhido por premiações da Fifa. O atacante bateu o zagueiro do Liverpool Virgil van Dijk e o atacante da Juventus Cristiano Ronaldo para ser escolhido.

O argentino já havia faturado a honraria em 2009, com o antigo prêmio de Melhor do Mundo da Fifa; e em 2010, 2011, 2012 e 2015, pelo FIFA Ballon d’Or, parceria da federação com a revista francesa France Football. Com seis escolhas, Messi desempata disputa pessoal com Cristiano Ronaldo, que soma cinco premiações, e se iguala a Marta, como atleta que mais venceu o prêmio.

Messi volta a ser nomeado o maior jogador do futebol mundial após três anos. Em 2016 e 2017, o argentino ficou em segundo atrás de Cristiano Ronaldo. Já na última premiação, o camisa 10 não figurou entre os três primeiros e Modric foi premiado.

Na temporada 2018/2019, Messi marcou 51 gols e deu 22 assistências pelo Barcelona em 50 jogos. O camisa 10 ajudou a equipe catalã a vencer o Campeonato Espanhol e chegou às semifinais do Liga dos Campeões. Na seleção argentina, foram três gols e uma assistência em oito jogos, além do 3º lugar da Copa América no Brasil.

Fonte: Gazeta Esportiva

Foto: Site Oficial da Fifa

Neste sábado, Neymar voltou a vestir a camisa do Paris Saint-Germain, no duelo diante do Strasbourg, mas o retorno do brasileiro não foi nem um pouco celebrado. Na estreia do time francês em casa na temporada, a torcida hostilizou o camisa 10 e ainda exibiu faixas para o pai do jogador.

Quando o nome de Neymar foi anunciado nas caixas de som do estádio, ainda durante a divulgação da escalação da equipe, a torcida parisiense não economizou nas vaias e nos gestos obscenos.

Além disso, por volta dos 15 minutos de jogo, a torcida organizada estendeu uma faixa escrita em português e se referindo ao pai do camisa 10. “Neymar Sr venda seu filho na Vila Mimosa!”, dizia, alusão a uma zona de prostituição no Rio de Janeiro.

Se por um lado o clima entre Neymar e torcida não é nada bom, um outro brasileiro parece estar muito bem com os torcedores. O zagueiro Marquinhos, que sequer foi relacionado, foi homenageado com uma espécie de mosaico antes da bola rolar.

Fonte: Gazeta Esportiva

Foto: Reuters

A Assembleia Legislativa de Alagoas aprovou nesta quinta em segunda votação a mudança do nome do Estádio Rei Pelé, em Maceió, para Rainha Marta. O projeto de lei é de autoria do deputado Antonio Albuquerque (PTB), mas ainda há um caminho a seguir até a alteração ser definida.

O deputado Sílvio Camelo (PV) apresentou uma emenda ao projeto de lei para que o principal estádio de Alagoas tenha os dois nomes: Rei Pelé e Rainha Marta. Esta emenda só vai ser votada na próxima semana e, depois da sessão, vai para sanção do governador de Alagoas Renan Filho, que pode aprovar ou vetar a mudança. Ele ainda não se pronunciou sobre o assunto. Se Renan não aprovar, o projeto volta para assembleia para os deputados analisarem o veto. Em 2008, um projeto idêntico, de autoria do deputado Temóteo Correia, foi vetado pelo então governador Teotônio Vilela.

Votação

Nesta quinta, 24 deputados estavam presentes na sessão e oito votaram contra, os deputados Davi Maia (DEM), Jó Pereira (MDB), Marcos Barbosa (Cidadania), Davi Davino Fiho (PP), Bruno Toledo (Pros), Galba Novaes (MDB), Cabo Bebeto (PSL) e Sílvio Camelo (PV).

História

Inaugurado em 25 de outubro de 1970, o Estádio Rei Pelé foi uma homenagem do então governador Lamenha Filho ao camisa 10 da Seleção, que havia conquistado naquele ano o tricampeonato mundial.

Pelé participou da inauguração e também voltou a Alagoas no dia 27 de junho de 2010. Ele, inclusive, colocou a marca dos pés na praça esportiva.

Fonte: Globoesporte.com

Foto: CBF

O Athletico-PR saiu em vantagem na decisão da Copa do Brasil contra o Internacional, nesta quarta-feira. Jogando na Arena da Baixada, a equipe da casa bateu o Colorado por 1 a 0 na partida de ida da final do torneio.

Pressionando os visitantes e controlando mais as ações da partida, o Furacão abriu o placar aos 12 minutos da segunda etapa, em belo gol do volante Bruno Guimarães, após troca de passes com Marco Ruben. O gol foi o único do confronto e deu a vantagem para os paranaenses na volta.

A decisão da Copa do Brasil acontece na próxima quarta-feira, também às 21h30 (de Brasília), no Beira-Rio em Porto Alegre. Para ficar com o título, o Internacional precisará vencer por dois gols de diferença, enquanto o Athletico-PR joga pelo empate. A competição não conta com o critério de gol fora de casa, logo, se o Colorado vencer por diferença de um gol, a taça será decidida nos pênaltis.

Fonte: Superesportes

Neymar voltou a jogar depois de três meses, fez um gol e mostrou muita vontade durante o empate por 2 a 2 entre Brasil e Colômbia, mas não conseguiu sair de campo apenas com a boa atuação. O camisa 10 também foi protagonista de uma áspera discussão durante e após a partida. Ele e o volante Barrios trocaram farpas minutos antes do apito final e seguiram se estranhando depois do fim do jogo.

As câmeras da transmissão oficial da partida flagram ambos levando o braço ao rosto do rival e tentando um empurrão. Os dois ainda conversaram por um longo tempo em campo. O brasileiro deixou a partida irritado com a violência dos colombianos. Ele reclamou bastante de um pênalti não marcado pela arbitragem após ser empurrado por Davinson Sánchez no segundo tempo.

Neymar foi o jogador que mais sofreu faltas na partida, quatro. Na avaliação do comentarista Paulo César de Oliveira, a falta recebida pelo brasileiro foi um pênalti claro. Na ocasião, o lance foi exibido no telão e gerou revolta para todos os jogadores da Seleção.

– O contato foi nas costas do Neymar. A bola estava dentro do campo ainda, e o zagueiro da Colômbia é imprudente. Sánchez chega atrasado e vai nas costas do Neymar. É pênalti não marcado pelo árbitro – avaliou Paulo.

Casemiro, que questionou Sánchez após o empurrão em Neymar, criticou a postura dos colombianos na partida.

– O pessoal vem jogar contra o Brasil e quer intimidar, botando a mão, querendo bater, xingar. Isso não existe mais, tem que ganhar na bola. Falei pra ele que não precisava. Eles têm as táticas dele e a gente tem as nossas. Mas normal, é do jogo – declarou o volante.

Não é a primeira vez que Neymar se envolve em polêmicas durante uma partida contra a Colômbia. Na Copa América de 2015, ele foi expulso após o apito final depois de uma discussão generalizada e o camisa 10 chutar a bola em cima do lateral Armero.

Fonte: GloboEsporte.com

Foto: Steve Mitchell

Danilo Feliciano de Moraes, filho mais velho do pentacampeão Cafu, morreu aos 30 anos nesta quarta-feira vítima de um infarto enquanto jogava bola na casa da família, em Barueri, região metropolitana de São Paulo.

A informação foi confirmada pelo tetracampeão Paulo Sergio. Amigo da família, o ex-jogador disse que Danilo se sentiu mal depois de brincar por dez minutos, foi levado à unidade de Alphaville do Hospital Albert Einstein, mas não resistiu.

Na foto abaixo, postada por Cafu no último Dia dos Pais, Danilo, de branco, aparece ao lado dos dois irmãos com o pai.

Fonte: Globoesporte.com

Foto: Instagram

A Fifa anunciou na manhã desta segunda-feira os três finalistas dos prêmios The Best, de melhor do mundo na temporada 2018/19. Entre os jogadores, concorrem o argentino Messi, do Barcelona o português Cristiano Ronaldo, da Juventus, ambos vencedores do troféu cinco vezes cada um, e o zagueiro holandês Van Dijk, do Liverpool, ganhador na eleição da Uefa na sexta-feira passada. Dois brasileiros da Seleção estão na disputa de goleiros: Alisson, do Liverpool, indicado com destaque da posição na Europa, e Ederson do Manchester City, dividem votos com o alemão Ter Stegen, do Barcelona.

Messi também concorre no Prêmio Puskàs, de gol mais bonito da temporada, pelo toque de cobertura contra o Bétis, em março. Seus adversários são o colombiano Quintero, pela cobrança de falta pelo River Plate diante do Racing, em fevereiro, e o húngaro Dániel Zsóri, do Debrecen, autor de uma bicicleta contra o Ferencváros. O brasileiro Matheus Cunha, do RB Leipzig, era um dos 10 indicados, mas ficou fora do trio finalista.

Outro do país que estava na lista de concorrentes, mas não conseguiu votos necessários para a disputa do prêmio, é o técnico Tite. São finalistas da categoria o espanhol Guardiola, do Manchester City, o argentino Mauricio Pochettino, do Tottenham Hotspur, e o alemão Jürgen Klopp, do Liverpool.

Em compensação, o Brasil tem representante no Fifa Fan Award, dedicado aos torcedores. É Silvia Grecco, mãe do palmeirense Nickollas que narra as partidas para o filho deficiente visual. Ela concorre com Justo Sánchez, uruguaio fã do Cerro que passou a acompanhar os jogos do rival Rampla Juniors em homenagem ao filho falecido. Ambas as histórias foram contadas pelo Grupo Globo e disputam o prêmio com os holandeses, pela festa na Copa do Mundo Feminina.

Americanas favoritas nas categorias femininas

Entre as mulheres, duas americanas e uma inglesa concorrem ao prêmio em que a brasileira Marta é recordista, com seis conquistas. A favorita Megan Rapinoe disputa com a compatriota Alex Morgan e a britânica Lucy Bronze. Entre as goleiras, as finalistas são a chilena Christiane Endler, a holandesa Sari Van Veenendaal e a sueca Hedvig Lindahl.

Na categoria de técnicos de equipes femininas, duas mulheres disputam com um homem. A favorita é Jill Ellis, bicampeã da Copa do Mundo à frente dos Estados Unidos. Disputa com a holandesa Sarina Wiegman, da seleção de seu país, e Phil Neville, comandante do English Team.

Na próxima quarta-feira, a Fifa anuncia as 55 candidatas à seleção do ano, na primeira eleição da FIFPro’s (Federação Internacional dos Jogadores Profissionais de Futebol, na sigla em francês) entre as mulheres. Os finalistas entre os homens saem no dia seguinte.

Os vencedores de todas as categorias do Fifa The Best e as seleções do ano da FIFPro’s serão conhecidos em cerimônia no dia 23 de setembro, em Milão, na Itália.

Formato da premiação

Os 10 indicados inicialmente aos prêmios de melhores das categorias de jogadores e técnicos foram apontados por um painel especialistas, tendo como base o trabalho mostrado entre 16 de julho de 2018 e 19 de julho de 2019. O grupo foi formado por ex-jogadores e técnicos: Kaká (Brasil), Xavi (Espanha), Juan Sebastián Verón (Argentina), Franco Baresi (Itália), Cha Bumkun (Coreia do Sul), Fabio Capello (Itália), Ricki Herbert (Nova Zelândia), Lothar Matthäus (Alemanha), Francisco Maturana (Colômbia) e Hugo Sánchez (México).

Os candidatos passaram depois por um processo de votação popular no site da Fifa, paralelamente a uma eleição entre jornalistas de cada país filiado à entidade, além dos treinadores e capitães das seleções. No pleito, cada um indicou três candidatos, em ordem de preferência: 1º, 2º e 3º colocado. O primeiro levou cinco pontos; o segundo, três; e o terceiro, um. Os que somaram mais aparecem no trio finalista.

Na categoria de goleiro, a escolha é exclusivamente feita por especialistas. Os finalistas foram indicados até dia 28 de julho e só foram conhecidos nesta segunda-feira, dia 2 de setembro. Agora, um painel formado por goleiros e atacantes, escolhidos pela Fifa, vai eleger o ganhador.

O Prêmio Puskàs também tem regras diferentes, ainda passa por outro filtro. Os três finalistas são avaliados por um painel do Fifa Legends, ex-jogadores e técnicos. O vencedor leva o prêmio no dia 23. No Fifa Fan Award, a votação para escolha do ganhador é pelo público, no site da entidade.

Fonte: Globoesporte.com

Foto: Reprodução

Disputado oficialmente desde 1999, os Jogos Parapan-americanos têm agora o Brasil como o dono da melhor campanha de todos os tempos: 308 medalhas, 124 ouros, 99 pratas e 85 bronzes. Essa é a quarta vez seguida que a delegação verde e amarela lidera o quadro de medalhas.

A marca anterior era do México, que em casa na primeira edição, havia conquistado 307 pódios (121 ouros, 105 pratas e 81 bronzes). “A nossa meta interna no Comitê sempre foi superar os números de Toronto. Não só em medalhas, mas queríamos estar em mais finais, trazer a maior delegação, ter mais mulheres, contar com o maior número possível de atletas de classes baixas. Sempre apostando muito nos jovens. E acho que tudo isso foi alcançado”,  disse Alberto Martins, diretor técnico e chefe da missão brasileira em Lima.

A delegação brasileira ultrapassou a marca de medalhas de ouro quando Evelyn Oliveira, Mateus Carvalho e Antônio Leme, na classe BC3 da bocha, superaram o time canadense na final por 4 a 3.

Lauro Chaman, do ciclismo, bateu o recorde total de pódios. Na prova de resistência C4-5, ele foi o mais rápido completando os 80 km em 2h17m43.

Destaques

Quase metade das medalhas brasileiras veio das piscinas. A equipe da natação ficou com 127 conquistas, sendo 53 ouros. Há quatro anos, em Toronto, o Brasil conseguiu 104 medalhas, sendo 38 ouros. No Halterofilismo, o Brasil também liderou com folga o quadro de medalhas. Foram 16 medalhas, sendo seis ouros. Em Toronto, o Brasil ganhou oito medalhas na modalidade.

“ A natação superou muito as nossas expectativas. Já esperávamos bastante. Mas ficou acima do que queríamos. O Halterofilismo tem uma regra muito confusa. É difícil haver uma unanimidade entre os árbitros. Há sempre uma interpretação. Por isso, acho que os nossos atletas foram muito bem.

Projeção para Tóquio 2020

Segundo o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), a delegação brasileira em Tóquio, nos Jogos Palalímpicos, terá entre 350 e 400 pessoas, sendo aproximadamente 250 atletas. “Ainda é bastante cedo para termos uma meta de resultados. Precisamos esperar os Mundiais de natação, agora em setembro, de Atletismo, no final do ano, e os próximos até Tóquio para podermos delimitar melhor os nossos adversários. Mas, é claro que a China é fortíssima. Rússia voltando é uma forte candidata à um posto no Top 5. Canadá e Estados devem ir com delegações bem diferentes dessas que estiveram aqui em Lima. Serão fortes rivais”, projeta Alberto Martins.

Nos Jogos do Rio de Janeiro em 2016, o Brasil finalizou a sua participação em oitavo, com 72 medalhas (14 ouros).

Entre vários outros, um ponto é observado com muita atenção pela equipe multidisciplinar brasileira: as medalhas de prata. “ Saímos de Lima com 99 pratas. Foram ocasiões nas quais ficamos muito perto do ouro. Queremos entender quais os detalhes que faltaram. E temos gente trabalhando para descobri-los”, completa o dirigente.

Mizael Conrado e a homenagem a André Brasil

“ Foi uma campanha memorável do Brasil, em um dos Parapan-americanos mais difíceis de todos os tempos,” disse o presidente do CPB, Mizael Conrado. Em meio às comemorações, o dirigente fez questão de lembrar de um personagem do paradesporto nacional, o nadador André Brasil ( dono de 14 medalhas em Jogos Paralímpicos e quatro recordes mundiais ), que foi considerado inelegível pelo Comitê Paralímpico Internacional em abril desse ano. “ Por conta de um processo truculento, ele não pôde estar aqui. Mas estamos com ele. O talento dele, com certeza, contribuiu para que o paradesporto chegasse nesse nível. Um pedacinho de cada uma dessas medalhas também é dele.”

Fonte: Agência Brasil 

Foto: Rodolfo Vilela/ rededoesporte.gov.br