Category

POLÍTICA

Category

Líder do governo na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), o deputado Ricardo Barbosa (PSB) falou sobre o futuro partidário do governador João Azevêdo e comentou sobre a posição dos deputados do PSB, após a saída do Chefe do Executivo do partido socialista.

De acordo com o parlamentar, João tem recebido muitos convites, mas está avaliando as conjunturas políticas e até o Natal, deve decidir para qual partido irá. Ele também enfatizou que seguirá o governador.

“Conversei com o governador João. São dezenas de partidos o procurando, oferecendo o comando partidário e ele está fazendo uma leitura e avaliação de todos os convites para um futuro próximo e antes do Natal, deve anunciar sua decisão e eu o seguirei. Pelo menos informalmente, porque deputado federal não pode deixar o partido sob pena de incorrer em infidelidade partidária. O governador não nos adiantou para qual sigla vai. Ele disse que ainda não tomou a decisão”, destacou.

O deputado comentou o posicionamento dos parlamentares que continuam no PSB. Ricardo Barbosa afirmou que Buba Germano e Jeová Campos expressaram o desejo de continuar na base aliada, mas querem também continuar no partido.

“Conversei com o deputado Buba Germano demoradamente e mais rapidamente com o deputado Jeová, que manifestam o desejo de continuar na base aliada, mas manifestam igualmente o desejo de continuar no PSB e não sei como será recepcionado lá no PSB. Mas o manifesto deles para mim é que continuam seguindo a base, integrando-a, sem deixar o Partido Socialista Brasileiro”, afirmou.

Ricardo Barbosa também rebateu as declarações do ex-governador, Ricardo Coutinho (PSB) sobre as obras que estão sendo entregues pelo governador João Azevêdo. Ele destacou que o Estado “não foi criado e não se acaba” com o ex-governador, que as obras são da Paraíba e estão se aperfeiçoando com a atual gestão.

“Ele é ex-governador e o Estado não foi criado e não se acaba com ele. As obras são da Paraíba, protagonizadas pelo governo que a Paraíba escolheu. Lá atrás foi ele, agora é João e ele está tocando com maestria. As obras se aperfeiçoam na versão João”, pontuou.

Fonte: Paraíba Já

O prefeito de Jacaraú, Elias Costa e outras lideranças políticas do município, se filiaram, neste sábado (07), ao Partido Democrático Trabalhista (PDT), e Elias, foi eleito também como presidente do partido. O ato de filiação
contou com a presença da Governadora em Exercício, Lígia Feliciano, e do Deputado Federal, Damião Feliciano, ambos do PDT.

O anúncio da filiação de Elias aconteceu durante um encontro na casa do prefeito em Jacaraú, que contou com a presença da Governadora, Deputados, Vereadores e lideranças políticas.

“O partido tem se fortalecido nos últimos anos. Estamos traçando metas, articulando ações e projetos para nossa cidade em 2020, e ao receber o convite para a filiação, a governadora em exercício, assume compromissos de recursos hídricos, para o munícipio, e também atenção especial ao nosso município de acordo com as nossas reinvindicações nas áreas de infraestrutura, educação e saúde, além da revitalização da rodovia 071, como também temos grande parceria com o Deputado Federal, Damião Feliciano. Se trata de um grande partido, com líderes importantes, que ora tem sido articuladores diretos para conseguimos recursos para nosso município”, declarou o prefeito, Elias Costa.

Fonte: Assessoria da PMJ

Fotos: Assessoria da PMJ

Presidente da Executiva nacional do PSB, Carlos Siqueira, vai entrar com ação na Justiça solicitando o mandato do governador da Paraíba, João Azevêdo, e devolução de R$ 3,3 milhões que foram gastos na campanha eleitoral para elegê-lo.

As declarações de Siqueira foram dadas durante uma entrevista à imprensa de João Pessoa, nesta quinta-feira (5), isto por conta da desfiliação do governador, que provocou um abalo no coletivo socialista ligado ao ex-gestor Ricardo Coutinho.

“A decisão é da Justiça, mas nós vamos pedir o mandato dele na Justiça e vamos entrar com uma ação cobrando o que o partido gastou na campanha dele. Essa cifra é de pelo menos R$ 3 milhões, se considerarmos a dívida que ele deixou depois da campanha”, disse.

Siqueira revelou ainda que nunca tinha visto uma situação como essa do PSB na Paraíba com a entrada de João Azevêdo. Segundo ele, em trinta anos de partido, é a primeira vez que vê um conflito entre pessoas e que quem criou o conflito se recusasse a conversar com a direção partidária.

“Criou-se um conflito que foi provocado por ele. Não fomos nós que dissolvemos o diretório paraibano. Quando Azevêdo fala em intervenção, ele falta com a verdade porque nunca houve isso na Paraíba. A dissolução foi espontânea. Não pedi para ninguém renunciar. Ele começa a carta com uma inverdade. Eu o convidei insistentemente para que pudéssemos conversar com Ricardo Coutinho. Nunca entendi que se pudesse resolver algum nível de conflito sem diálogo”, observou.

Para Siqueira, Azevêdo já estava decidido a sair do partido no momento em que criou toda a confusão. “Quero que a Paraíba saiba que ele foi quem vetou o nome de Ricardo Coutinho para ser presidente estadual da legenda. Observe que ingratidão, para dizer o mínimo, de alguém que foi escolhido, apoiado por Coutinho para ser o governador da Paraíba, sem cujo apoio ele jamais seria eleito, porque nunca teve um voto na vida”, destacou.

O presidente enfatizou ainda que Azevêdo começou muito mal o governo, pois  já tinha visto traição na política, mas geralmente demora pelo menos um ano pra acontecer, mas pelas atitudes do governador, desde o início, ele começou a preparar a traição, que foi concretizada ao provocar uma crise com quem mais o ajudou ao chegar ao governo, que aliás foi fundamental na eleição da Paraíba.

“Ele devia ter pelos menos a dignidade de devolver o dinheiro que se gastou na campanha dele, porque dignidade ele não tem, e gratidão para ele, essa palavra não existe  em seu dicionário”, desabafou.

Fonte: Paraibaonline

A decisão do governador João Azevêdo de se desfiliar do PSB deve causar um grande estrago à legenda na Paraíba. Até agora, pelo menos dez prefeitos (veja lista abaixo) já comunicaram que estão deixando a sigla socialista.

A expectativa é de que até o final desta semana mais seis prefeitos (veja lista abaixo) anunciem desligamento dos quadros do PSB paraibano. Na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), os vereadores socialistas Leo Bezerra e Tibério Limeira já comunicaram a saída da legenda.

Os secretários estaduais Deusdete Queiroga (Infraestrutura e Recursos Hídricos) e Geraldo Medeiros (Saúde) também já anunciaram que estão deixando o partido após o anúncio do governador. Os dois têm tido os nomes especulados para concorrerem no ano que vem às prefeituras de João Pessoa e Campina Grande, respectivamente.

Prefeitos que já anunciaram desfiliação do PSB

Benício Neto (Pilar)

Chico Mendes (São José de Piranhas)

Dr. Lúcio (Itabaiana)

Fernando Naya (Rio Tinto)

George Coelho (Sobrado)

Marcelo Monteiro (Lucena)

Nobinho (Esperança)

Roberto Feliciano (Sapé)

Ricardo Pereira (Princesa Isabel)

Tiago Castro (Cabaceiras)

Prefeitos que devem anunciar desfiliação do PSB

Aron (Itatuba)

Nelinho (Cacimba de Dentro)

Dedé Romão (Pedras de Fogo)

Eunice Pessoa (Mamanguape)

Fábio Tyrone (Sousa)

Paulo Dália (Juripiranga)

Fonte: Paraíba Já

O prefeito da cidade de Cuité de Mamanguape, Djair Magno Dantas foi afastado do cargo nesta terça-feira (3) após uma determinação da 2º Vara Mista de Mamanguape. A decisão, que aconteceu após ação civil pública movida pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), também afastou o secretário de Finanças do município, Antony Charles da Silva, o vereador Ezequias José de Souza e o irmão do prefeito, Dioclécio Magno Dantas. Todos são acusados de improbidade administrativa.

O afastamento dos cargos, proferido liminarmente, será pelo prazo de 180 dias. Foi determinado ainda o bloqueio dos bens dos réus até o limite de R$ 2,3 milhões. São réus na ação, ainda, o secretário e o ex-secretário de saúde, Valdir Magno Dantas e Leandro Silva da Costa, e o ex-secretário de Finanças, José Carlos Dantas Filho.

O inquérito conduzido pelo Ministério Público apontou a existência de desvios de recursos públicos com fraudes na contratação de prestadores de serviços (pessoa física) no Município e no Fundo Municipal de Saúde (FMS).

“As fraudes consistiam na simulação de contratação de prestadores de serviços e na divisão dos salários dos contratados que efetivamente prestavam o serviço, a chamada “rachadinha”. Fora isso, também foram verificadas contratações de prestadores de serviços (pessoa física) burlando a regra legal da exigência de concurso público. “Uma verdadeira simulação, contratação de servidores por anos a fio, mas com aparência de contratação emergencial e temporária”, diz a magistrada.

Vários dos servidores que constam na lista de contratados pela gestão municipal foram ouvidos no inquérito e disseram nunca ter trabalhado na prefeitura. Muitos relataram ainda que recebiam uma parte dos salários e que o restante era dividido entre os réus no processo.

“Nesse contexto, imperioso destacar a evolução significativa das despesas com pagamento de prestadores de serviços contratados pelo Município e o Fundo Municipal de Saúde entre os anos de 2017 e 2018, passando de R$ 705.558,00 para R$ 2.322.868,00. Não se quer dizer com isso que haja irregularidades em todas as contratações, mas, diante do que foi apurado, é bem provável que haja outros casos semelhantes aos que aqui foram apurados”, ressalta a magistrada em outro trecho.

Fonte: Paraíba Já

 Com o aprofundamento da crise interna enfrentada pelo PSB na Paraíba, o governador João Azevêdo formalizou na tarde desta terça-feira (3) aquilo que já era aguardado no cenário político da Paraíba: a sua desfiliação do PSB.

Em carta divulgada aos paraibanos, Azevêdo afirmou que deixa a legenda “em busca da democracia perdida”.

No texto, o governador informa ainda que, uma vez decidida a sua desfiliação, vai se dedicar, neste final de ano, à escolha de uma nova legenda.

“Aos amigos e amigas que esperaram por essa decisão e confiam em nosso trabalho, que com muita humildade e seriedade vem mantendo e melhorando praticamente todos os índices da Paraíba, em destaque no cenário nacional, convido-os para nos acompanhar nessa caminhada que se inicia. A partir de hoje, vou consultar muitos de vocês para que tomemos a decisão em conjunto, porque ninguém, sozinho, é dono da verdade”, afirmou o governador.

Leia a carta na íntegra:

“Saio do PSB em busca da democracia perdida

Ao povo paraibano.

Tenho exercido os limites da paciência para não incorrer nas falhas que a pressa leva sempre a cometermos. Mas, como humanos, todos temos nossos limites. E o meu chegou com o PSB, partido ao qual sou filiado e me elegi governador em 2018. Desde a dissolução do Diretório Estadual, em agosto deste ano, sucedido por uma intervenção nacional ou simplesmente pelo golpe aplicado – segundo companheiros de partido e a imprensa local, que o incômodo com a situação só se agravava e exigia, mais cedo ou mais tarde, uma tomada de decisão. E ela chegou. Saio do PSB em busca da democracia perdida.

Muitos achavam que essa decisão deveria ter sido imediata ao ato de força que culminou com a dissolução do Diretório eleito em congresso, sem a menor justificativa. Ou quando foi nomeada uma Comissão Interventora pela direção nacional da legenda que colocaram meu nome junto com o senador Veneziano Vital e outros dois companheiros, sem consulta alguma, nessa tal Comissão Interventora.

Não a tomei em nenhum desses momentos, embora justificativas não faltassem, justamente para que os ânimos pudessem ser serenados, o diálogo restabelecido e a ordem verdadeiramente democrática voltasse a predominar no PSB paraibano.

O que se viu, no entanto, foi a falta de qualquer gesto ou atitude de autocrítica pelo terrível erro cometido com a bonita história de nosso partido na Paraíba. Nos nivelamos a legendas autocráticas, de ocasião, sem zelo pelos mandatos eletivos em andamento. E pensar que o partido acaba de realizar evento nacional para promover uma Autorreforma. Sem democracia interna não existem sequer reformas, imaginem autorreforma.

A democracia que defendemos não deve ser um conceito vago, um ser abstrato, que se usa quando convém, para embasar as próprias teses e dar ganho de causa a argumentos e procedimentos. Democracia é uma palavra viva que precisa estar presente no nosso dia a dia. E eu procuro praticá-la nas minhas atividades, no cotidiano, com minha equipe, com amigos, com companheiros e companheiras, na relação com a comunidade, com as instituições e os movimentos sociais. Uma prática que adoto em família, compartilhando com minha esposa e estendendo esse conceito a filhos e netos, como um legado de vida.

Mágoas e rancores não cabem em meu coração. Apenas lamentações. A primeira, por ter que deixar o partido pelo qual fui eleito. Sem antes deixar de agradecer a todos os militantes, dirigentes e colaboradores que confiaram nas nossas propostas e têm hipotecado solidariedade irrestrita nesse momento tão delicado.

A segunda e última lamentação eu não poderia deixar de registrar, porque essa dói profundamente e não vou guardar apenas comigo, pois isso faz mal à alma. Ironicamente, as maiores críticas ao nosso Governo nesses 11 meses não vieram da oposição, dos partidos políticos, dos sindicatos e associações de classe, dos deputados na Assembléia, da imprensa, dos artistas e intelectuais, das universidades e da sociedade em geral, que têm toda legitimidade para contestar e apontar os caminhos a serem seguidos pelos governantes.

A maioria das críticas – ou melhor, dos ataques –, veio de membros do nosso próprio partido. E não foi do militante lá na ponta ou de alguém que votou e contribuiu de alguma forma, talvez desgostoso com algum fato menor ou desentendimento com alguém dos quadros governamentais. O antagonismo veio de figuras de proa do PSB, que mesmo antes da Intervenção ou do golpe, já atacavam o Governo, secretários e o governador.

Cheguei a ser severamente criticado em entrevistas e redes sociais simplesmente por dar continuidade ao Projeto do PSB, por sequenciar obras e realizações que não foram concluídas até 31 de dezembro de 2018 e muitas dadas como concluídas e inauguradas. Mantivemos nomes e continuamos todos os programas e projetos do Governo anterior, com direito a ampliá-los, incorporando novas visões e atores sociais. Mantive grande parte da equipe anterior, mesmo assim, pelo fato de ter realmente assumido as funções de governador do estado, tomando minhas próprias decisões, com possíveis erros e acertos, não foi do agrado de alguns que achavam que continuariam a governar a Paraíba.

Convivi neste período, com boicotes e sabotagens internos à gestão promovidos por alguns, que apegados a funções e salários, não tiveram a dignidade de entregar seus cargos, agindo ou não sob algum tipo de comando superior.

Confesso que ainda não entendi o porquê disso tudo. Quais objetivos se escondem – se é que existem ou foi de ato impensado – para a semeadura de tanta discórdia em uma legenda que venceu as eleições de forma consagradora e transformou-se na maior agremiação partidária do Estado.

Mas, como a vida é feita de ciclos, iniciaremos uma nova caminhada a partir de hoje.

“A cada chamado da vida, o coração deve estar pronto para a despedida e para novo começo, com ânimo e sem lamúrias”, assim escreveu um famoso escritor alemão.

Quero agradecer aos inúmeros convites que tenho recebido, de dirigentes estaduais e nacionais, para ingressar em uma nova legenda. Não abri diálogo e nem avancei em qualquer tratativa, ante minha filiação anterior ao PSB. Mas irei fazê-lo neste final de ano, a fim de iniciar 2020 em uma nova e acolhedora casa. Não pretendo criar novo partido ou seguir modismos oportunistas. Acredito que o fortalecimento da democracia passa por partidos programáticos, ideológicos, com diversidade, unidade e, principalmente, com eleições internas de seus membros em fóruns regimentais e respeito às decisões de todas as instâncias partidárias.

Irei mudar de partido porque o meu atual desconfigurou-se por completo na Paraíba. Mas os princípios e o conjunto de idéias que acredito, caminharão sempre comigo. Vou procurar uma legenda que se afine com nossa visão de mundo e de Brasil, que não seja sectária, dona da verdade, que não exerça patrulha ideológica e refute alianças programáticas. Também que não flerte com o extremismo, com o fanatismo político, seja de direita ou de esquerda, nem tampouco pratique a idolatria personalista. Que os discursos para dentro sejam os mesmos para fora. Que a verdade seja sempre o que norteie as decisões. Que o dinheiro público seja respeitado.

Acredito em um partido que abrace o pluralismo de idéias, a independência e o respeito entre os poderes; que professe a liberdade de imprensa e de religião, o estado laico, o multiculturalismo, o desenvolvimento sustentável, a globalização e a inclusão social com desenvolvimento; a defesa das causas ambientais, o direito das minorias e o respeito às famílias; a diversidade, o empreendedorismo e o Estado para corrigir as desigualdades e também como indutor da economia; os valores cristãos, sem usar em vão o nome de Deus em atividade política; e, por fim, a harmonia, o diálogo e a paz social entre nós cidadãos.

Aos amigos e amigas que esperaram por essa decisão e confiam em nosso trabalho, que com muita humildade e seriedade vem mantendo e melhorando praticamente todos os índices da Paraíba, em destaque no cenário nacional, convido-os para nos acompanhar nessa caminhada que se inicia.

A partir de hoje, vou consultar muitos de vocês para que tomemos a decisão em conjunto, porque ninguém, sozinho, é dono da verdade.

Aos paraibanos e paraibanas, meus sinceros respeitos. Ajudem-me a continuar trilhando o mesmo caminho confiado, até o dia 31 de dezembro de 2022.

DEMOCRACIA, SEMPRE!
DITADURA, NUNCA MAIS!

João Azevêdo Lins Filho
Governador da Paraíba

Fonte: Paraibaonline

Foto: Paraibaonline

O portal PB Agora, em parceria com o Instituto Datavox, traz os primeiros números da pesquisa Estimulada pela disputa eleitoral em João Pessoa com os nomes já colocados como pré-candidatos à disputa.

Na pesquisa Estimulada, são apresentados aos entrevistados os nomes de possíveis candidatos para que eles possam responder a pergunta: Se a eleição para prefeito de João Pessoa fosse hoje, em quem você votaria?

No primeiro cenário da Estimulada, o ex-governador Ricardo Coutinho, do PSB, aparece em primeiro lugar na disputa com 29,8% das intenções de voto; Logo em seguida está o nome do ex-prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena (PSDB), com 11,1% das intenções.

Na terceira posição, com 7,2% das intenções de voto está o apresentador Nilvan Ferreira.

Como quarto colocado aparece o deputado Wallber Virgolino com 6,3%; Ruy Carneiro possui 5,7% é o quinto; e o vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior aparece na 6ª colocação com 3,1%.

A pesquisa apresenta ainda o ex-deputado federal Luiz Couto, com 2,3% e Gervásio Maia (PSB), lançado recentemente pré-candidato, com com 1,6%, seguido de Efraim Filho, com 0,9%.

Entre os entrevistados, o número de indecisos, aqueles que não souberam dizer em quem votariam e o número de entrevistados que declararam votar em Branco ou em Nulo somam mais de 30%.

Também foram apresentados pelos entrevistadores os nomes do deputado estadual Wilson Filho, do Pastor Sérgio Rafael, Durval Ferreira, Zenedy Bezerra e Eduardo Carneiro.

Confira detalhes da pesquisa:

DADOS TÉCNICOS

A pesquisa ouviu no dia 30 de novembro, 810 pessoas em idade eleitoral nos bairros do Cabo Branco, Manaíra, Tambaú, Bessa, Jardim Oceania, Aeroclube, São José, Alto do Céu, Mandacaru, Ipês, Treze de Maio, Padre Zé, Róger, Ilha do Bispo, Alto do Mateus, Indústrias, Jardim Veneza, Mumbaba, Gramame, Costa e Silva, Ernani Sátiro, Funcionários, João Paulo II, Grotão, Ernesto Geisel, Valentina, Paratibe, Cuiá, Muçumago, Planalto da Boa Esperança, Mangabeira, Costa do Sol, Jardim Cidade Universitária, Bancários, Altiplano, Castelo Branco, José Américo, Água Fria e Cristo Redentor, Oitizeiro, Cruz das Armas, Jaguaribe e Varjão, Tambauzinho, Expedicionários, Miramar, Trincheiras, Varadouro, Torre e Estados.

O intervalo de confiança estimado é de 95,0% e a margem de erro máxima é de 3,7 pontos percentuais para mais ou para menos.

As entrevistas foram pessoais, feitas por meio de questionário elaborado de acordo com os objetivos da pesquisa.

Para a realização da aferição foi utilizada uma equipe de entrevistadores e coordenadores de campo devidamente treinada para o trabalho da DATAVOX PESQUISAS.

Fonte: PB Agora

Por não executar integralmente o objeto do convênio nº 014/2010 firmado entre o Município de Pedras de Fogo e a Cehap, a ex-prefeita Maria Clarice Ribeiro Borba terá que ressarcir aos cofres públicos a quantia de R$ 71.778,66. Também deverá pagar multa civil no mesmo valor, além de ter os direitos políticos suspensos por quatro anos. A decisão é do juiz Antônio Carneiro de Paiva Júnior nos autos da ação de improbidade administrativa nº 0800004-87.2016.815.0571. O processo foi julgado durante o Mutirão da Meta 4, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no âmbito do Judiciário estadual.

De acordo com a denúncia, o convênio tinha por objetivo a compra de material para a construção de 86 unidades habitacionais no Município de Pedras de Fogo, no valor de R$ 129.258,00. A fiscalização apontou que o objeto total do convênio não foi atingido, tendo sido executado apenas o valor de R$ 82.640,52, equivalente a 63,93% do total contratado, restando, assim, um saldo remanescente, a ser devolvido ao órgão estadual concedente no valor atualizado de R$ 71.778,66. Também não teria havido a prestação de contas por parte da ex-gestora.

“Desta forma, entendo que há prova material suficiente da caracterização de ato de improbidade administrativa, que resulta em prejuízo ao erário, porquanto o convênio não teve suas contas prestadas e, mesmo havendo a liberação da verba, não foi executada a integralidade do objeto”, destacou na sentença o juiz Antônio Carneiro, acrescentando que tal conduta constitui ato de improbidade administrativa.

“A conduta da representada se mostra, pois, impregnada de dolosidade, de profanação aos deveres de honestidade, legalidade e lealdade às instituições, bem como dilapidando o patrimônio do povo”, ressaltou o magistrado, entendendo ser pertinente a aplicação das penalidades de suspensão dos direitos políticos, ressarcimento do dano e pagamento de multa.

Cabe recurso da decisão.

Fonte: PB Agora com TJPB

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, fez uma declaração totalmente inesperada durante a abertura da Conferência Nacional da Autorreforma do partido, realizada nesta semana no Rio de Janeiro. Ao lado das principais lideranças socialistas do Brasil, inclusive o ex-governador da Paraíba e presidente da Fundação João Mangabeira, Ricardo Coutinho, Siqueira anunciou que o deputado federal Gervásio Maia seria o nome para a disputa na principal cidade da Paraíba.

“Esqueci de falar e muitos companheiros me perguntaram se os candidatos viram hoje e se o PSB tem candidatos nas capitais. Tem, sim. Tem muitos. Um deles o Coutinho já citou que o Márcio França em São Paulo. O deputado federal Gervásio Maia é nosso candidato na Paraíba, sem a licença do Coutinho, mas eu vou lançando a candidatura dele.”, disse Siqueira, que seguiu nominando outros postulantes do partido.

Participam da conferência, que começou no dia 28 e termina hoje, cerca de 300 filiados, entre integrantes do Diretório Nacional, dirigentes da Fundação João Mangabeira e dos segmentos sociais do partido. O evento acontece no auditório do hotel Rio Othon Palace, no Rio de Janeiro.

Fonte: Parlamento PB

Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, informou, na noite desta quarta-feira (27), que serão abertas 1.146 vagas por concurso público para 2020.

O anúncio integra a ação ‘Cidade que tem mais oportunidades’, que prevê um conjunto de medidas para o fortalecimento da capital paraibana nos próximos meses.

O gestor informou que o quadro de vagas e de remunerações será detalhado no Centro Administrativo Municipal (CAM), nesta quinta-feira (28), a partir das 9h.

“Em João Pessoa, temos compromisso com a carreira pública. Já contratamos mais de três mil e quinhentos servidores por concurso e vamos chegar à marca de quase 5 mil profissionais que irão entrar pela porta da frente do serviço público, responsáveis por um trabalho fundamental na vida da cidade e das pessoas”, disse o prefeito durante a transmissão.

De acordo com o secretário Lauro Montenegro, os editais de convocação serão anunciados por área da administração a partir do próximo ano. “Teremos um cronograma específico para a divulgação do edital. A intenção é que todos os concursos sejam concluídos ainda no ano que vem, atendendo às novas demandas do município”, apontou.

Montenegro reforçou que o anúncio ainda este ano vai permitir que as pessoas se preparem melhor para o processe seletivo. “Nos próximos 90 dias concluímos a contratação de todas as empresas responsáveis pelos concursos, dando mais tempo de preparação aos profissionais interessados em participar da seleção”, disse.

Fonte: Paraiba.com.br

Foto: Cláudio Costa/ Paraíba.com.br