Em seu primeiro pronunciamento depois de sair da prisão, em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) agradeceu a militância que permaneceu na capital paranaense durante os 580 dias que esteve preso na Superintendência da PF (Polícia Federal) da cidade.

O ex-presidente Lula saiu no fim da tarde de hoje da prisão da PF em Curitiba após decisão judicial e subiu diretamente num palanque para falar com os cerca de 200 militantes presentes no local.

“580 dias gritaram aqui: ‘bom dia, Lula, boa tarde, Lula, boa noite, Lula. Não importa se estivesse chovendo, que estivesse 40 graus, que estivesse zero grau. Todo santo dia, vocês eram o alimento da democracia”, afirmou.

Na sequência, criticou MPF (Ministério Público Federal) e PF. “Trabalharam para tentar criminalizar a esquerda, o PT, o Lula. E eu não poderia ir embora daqui sem poder cumprimentar vocês [mlitantes]”.

“Saio daqui sem ódio. Aos 74 anos, meu coração só tem espaço para o amor, porque o amor vai vencer nesse país. Eles têm que saber que o nordestino, que nasceu em Garanhuns (PE), que passou fome e que veio para São Paulo e não morreu de fome até os 74 anos de idade, não tem nada que me vença”, afirmou.

“Eu saio daqui, quero que vocês saibam, que saio com o maior sentimento de agradecimento que um ser humano pode ter pelo outro. É o que tenho por vocês. Não tenho mágoa dos policiais federais, dos carcereiros, de ninguém”, complementou.

Lula disse, também, que assistiu pela televisão, por meio de jornais, os dados do IBGE que apontam que “o Brasil não melhorou. Piorou. O povo está trabalhando de Uber, de bicicleta para entregar pizza. Está trabalhando sem o menor respeito”.

Ainda no primeiro discurso, Lula apresentou a socióloga Rosângela Silva como noiva. Depois de a militância pedir para que a beijasse, Lula deu um selinho nela. Amanhã, ele é esperado em um ato no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo, onde deve fazer um pronunciamento.

A decisão da soltura de Lula coube ao juiz Danilo Pereira Jr., que substitui Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal em Curitiba. Lebbos, que está em férias, é a responsável pela execução da pena de Lula.

Lula foi beneficiado pela decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que, em julgamento finalizado ontem, proibiu prisão após condenação em segunda instância, caso de Lula. A defesa do ex-presidente havia entrado com o pedido de soltura no final da manhã de hoje.

“Determino, em face das situações já verificadas no curso do processo, que as autoridades públicas e os advogados do réu ajustem os protocolos de segurança para o adequado cumprimento da ordem, evitando-se situações de tumulto e risco à segurança pública”, escreveu o juiz em seu despacho.

O magistrado citou o “efeito vinculante” da decisão do STF. “Observa-se que a presente execução iniciou-se exclusivamente em virtude da confirmação da sentença condenatória em segundo grau, não existindo qualquer outro fundamento fático para o início do cumprimento das penas.”, afirmou Pereira Jr. na decisão.

Após protocolar o pedido, Zanin foi à sede da Justiça Federal em Curitiba para falar com o juiz.

O ex-presidente estava preso na capital paranaense desde abril de 2018 em razão da sentença que recebeu no processo do tríplex, derivado da Operação Lava Jato. A condenação foi confirmada pelo STJ (Superior do Tribunal de Justiça), uma espécie de terceira instância. O caso ainda será encaminhado ao STF.

Fonte: UOL